Quem somos

Espaço de compartilhamento de informação e de discussão sobre mobilidade urbana e transporte coletivo na região metropolitana de Goiânia.

Iniciativa de usuários do transporte público nessa região que veem como possível uma nova forma de se organizar o deslocamento de pessoas no espaço urbano. Um dos caminhos seria uma alteração na tarifação, tirando do passageiro o ônus da cobrança e direcionando para quem mais tem interesse no deslocamento dos trabalhadores, os empresários e centros comerciais. Esse tipo de ação tem por objetivo atuar de forma a haver uma reorganização do sistema de transporte, alterando a qualidade do serviço prestado e ampliando o acesso ao espaço urbano: a cidade não existe para quem não se locomove por ela.

Para isso chamamos os interessados a participar de nossas atividades e reuniões, com o intuito de debater tais propostas e criar ações para que tais medidas se tornem realidade.

A escolha do nome tem três motivos principais:

1. No passado, já existiu em Goiânia um coletivo MPL [Movimento Passe Livre] (2005-2006) – que se dispersou por motivos que desconhecemos – e não conseguimos inicialmente manter contato com seus militantes. Somente após a formação do coletivo Tarifa Zero Goiânia é que conseguimos entrar em contato com algumas pessoas que haviam participado do MPL. Contudo, nesta ocasião não havia mais sentido em rebatizar o coletivo.

2. Este segundo ponto foi importante para a decisão da nomenclatura deste grupo que começava a se organizar na luta pelo transporte coletivo. A pauta Passe Livre já consta nos planos de governo do próprio Governo Estadual local (Governador Marconi Perillo – PSDB). Contudo, este plano é na verdade a implementação de um modelo de gratuidade para estudantes de baixa renda, que necessariamente tenham ligação com programas sociais dos governos estadual e federal, como o bolsa família. Tendo em vista estes fatores, alguns grupos militantes, tentando marcar a diferença, falam em “Passe Livre Integral”, mas ponderamos que este contexto local demandava que a diferença do plano do Governo Estadual e da luta que iniciávamos fosse bem demarcada.

3. O mais importante: escolhemos este nome considerando a própria evolução histórica das demandas do MPL em nível nacional. Segundo nossa avaliação, estas demandas caminham no sentido de expandir a pauta do direito ao transporte público e coletivo para além do passe livre estudantil. Por isso resolvermos batizar o coletivo de Tarifa Zero Goiânia, com a finalidade de, ao mesmo tempo, tentarmos dar uma contribuição na renovação quanto ao histórico de luta local, bem como estabelecer uma relação ao próprio desenvolvimento da agenda de luta pelo Passe Livre em nível nacional.

Desta maneira, marcamos uma diferença de nomenclatura em relação aos outros coletivos MPL, que preferiram o caminho de criarem as chamadas campanhas pela Tarifa Zero ao invés de mudarem seus nomes. No entanto, cabe destacar que adotamos os mesmos princípios táticos e estratégicos do MPL e estamos nos articulando também em nível nacional com os demais MPL’s locais.

E-mail: tzgoiania@riseup.net

Princípios

Horizontalidade: O Movimento Tarifa Zero rejeita qualquer tipo de hierarquia que surja dentro do movimento. Dessa forma, não existem “lideranças”, “representantes” ou “porta-vozes” do movimento, apenas participantes em igualdade de condições que realizam determinadas atividades em determinados momentos. A organização deve tomar medidas práticas para garantir essa igualdade a todo momento.

Rotatividade de funções: Não é permitido o monopólio de uma função no movimento, ou seja, a concentração de funções nas mãos de uma só pessoa (como a comunicação, a articulação de outros grupos, a produção de documentos e a organização de eventos entre outros) afim de evitar a burocratização e a criação de hierarquias, para que não haja autoridade sobre tarefas atribuídas na prática. A horizontalidade fica nula se não há uma participação igualitária na construção das atividades.

Forma de decisão: As decisões serão tomadas preferencialmente por consenso, para as questões mais importantes. Para questões práticas
imediatas, procede-se ou por votação ou por delegação da decisão pelo coletivo a um indivíduo determinado para uma atividade específica.

Transparência: O Movimento Tarifa Zero Goiânia deve garantir que todas as informações estejam acessíveis a todos os participantes igualmente, para que seja garantida uma participação efetiva a todos os integrantes do movimento. A concentração de informações é expressamente proibida.

Apartidarismo: O Movimento Tarifa Zero Goiânia não participa de disputas eleitorais nem tolera a imposição de qualquer decisão partidária ou bandeira sobre o coletivo. Acreditamos que isso é importante para manter a autonomia prática do movimento e a sua horizontalidade, além de manter o foco na questão principal que é o transporte coletivo. Entretanto, não excluímos a participação de pessoas vinculadas a tais instituições.

Relação com outros coletivos: Incentivamos a construção de outros coletivos de luta com princípios solidários e encorajamos a atuação conjunta com esses coletivos que também estejam interessados na luta pela tarifa zero e melhorias do transporte coletivo, sem que haja necessariamente uma assimilação dos grupos.